Monday, July 30, 2012

Pizza caseira



A semana passada fiz pizza para o jantar. A massa é muito fácil de fazer e vale a pena o esforço extra. Pessoalmente acho as bases para pizza de compra bastante deslavadas, embora perceba que sejam uma boa opção para quem não tem muito tempo ou paciência para cozinhar. Para a massa de pizza usem 250gr de farinha de trigo, 1 ou 2 colheres de sopa de azeite, fermento (eu usei saquetas Fermipan ou Vahiné) e água morna q.b. Deita-se a farinha numa tigela, faz-se um buraco no meio e lá colocam-se o fermento e o azeite. Misturam-se os ingredientes. A água vai então sendo adicionada aos poucos, amassando tudo muito bem. Eu não costumo colocar sal na massa porque o queijo e restante ingredientes já têm mas fica ao vosso critério. A massa está pronta quando estiver elástica e se descolar das paredes da tigela. Fica a levedar num lugar seco durante, pelo menos, uma hora. Quando tirarem porções da massa para estender, não amassem a porção com as mãos. Ou seja, tirem uma porção da tijela, ponham farinha nesta e na bancada e estendam directamente. A massa nesta fase está "molinha". Se amassarem mais a massa depois de levedada, fica borrachosa e elástica e é difícil de estender. Quanto aos ingredientes, é tudo uma questão de imaginação. A semana passada não inovámos muito, usámos fiambre, queijo, cogumelos, azeitona preta e umas salsichas à cortador da marca UDO. Não sou patrocinadora da marca mas neste blog faço questão de mencionar produtos que mereçam o destaque. As salsichas são muito saborosas e tem uma percentagem muito elevada de carne, algo que não se pode dizer de outras marcas. Convém sempre ler os rótulos.
A segunda foto mostra outra pizza na qual abrimos uns ovos de cordoniz. Adorei! Só é preciso cuidado para não cozinhar demasiado os ovinhos, são pequerruchos e facilmente secam. Confesso que os cozinhei um pouco demais. Mas estava muito saborosa! Bom apetite!

Tuesday, July 24, 2012

Restaurante La Vecchia Roma 6,8/10





Aqui está a primeira crítica gastronómica do blog! Experimentei, juntamente com a minha mana, o restaurante "La Vecchia Roma" em Oeiras no Forum Oeiras, perto do Oeiras Parque. O jovem que nos serviu trouxe de imediato azeitonas pretas temperadas com alho e um cestinho de pão. Nada a assinalar, é muito habitual em restaurantes e, como apreciadora de azeitonas, sabe sempre bem.. Pedimos para entrada bruschetta de tomate que consiste em 2 fatias de pão com tomate cortado em cubinhos e temperado com oregãos e manjericão. Estava saboroso mas não necessariamente preparado da forma mais correcta. Verdade seja dita, eu não sou especialista em comida italiana. No entanto, sei que geralmente o pão é torrado e nele esfrega-se um dente de alho e azeite. Acontece que a entrada não tinha o alho e esqueceram-se de torrar o pão, este amoleceu logo devido ao sumo do tomate. E faltava o toque do alho! Como disse, estava saboroso mas podem melhorar. De seguida pedimos uma pizza Calzone di pollo (com frango, milho, cogumelos, mozzarella e molho bechamel) e um Petto di pollo alla griglia (peito de frango com cogumelos e natas, acompanhado de batatas bravas e salada). Nota positiva para ambos os pratos, não foram brilhantes mas estavam agradáveis. A pizza era fininha e tinha ingredientes em dose q.b. Talvez lhe faltasse personalidade. O frango, por ser uma carne mais suave em termos de sabor, pouca presença tinha na pizza e não sei bem qual a vantagem do molho bechamel, que achei algo insípido. Valeram os cogumelos e o milho. Quanto ao bife de frango,  é grelhado e é neste aspecto que tenho uma crítica a fazer! Há que ter cuidado ao grelhar a carne, basta cozinhar um pouco demais e começa a saber a queimado. O bife veio com umas marcas escuras causadas pela chapa onde o grelharam. Algumas garfadas foram um pouco desagradáveis. Convém ter atenção na cozedura e também se aconselha a que lavem a chapa entre cada utilização, caso não o façam. Gostei muito das batatas. Estavam macias, pequeninas, com casca e salteadas em alho. Muito saborosas! O serviço foi eficiente e amável. Apesar de um ou outro aspecto menos positivo, não terei problemas em voltar. Fiquei com alguma curiosidade em experimentar outros pratos e assim fazer uma avaliação definitiva do restaurante. Bom apetite para todos!



NOTA: 6/10

Wednesday, July 11, 2012

Carne de vaca com molho de ostras



Aviso que não fui 100% fiel à receita original.
Comecei por cortar a carne (carne dos açores da Açorcarnes, http://www.quintadosacores.com/) em tiras médias, não devem ser muito finas senão a carne pode cozinhar demais e fica dura. A carne foi cozinhada em alho e azeite até ficar rosada. Não convém cozinhar muito a carne nesta fase porque mais tarde vai ser envolvida no preparado de vegetais. Retirei a carne para um prato e nesse mesmo azeite, cozinhei os vegetais. Usei cenoura, pimento vermelho, ervilhas de quebrar e cebola. Deixei os vegetais amaciarem mas ficaram estaladiços q.b. Temperei com salsa e pimenta rosa. Entretanto juntei o molho que consistiu em 3 colheres de sopa de molho de ostras, 3 colheres de sopa de molho de soja e 1 colher de sopa de vinagre de arroz. Deixei levantar fervura, juntei a carne, deixei cozinhar mais um ou dois minutos e ficou pronto! Aconselho a terem cuidado com o sal. Eu não adicionei nenhum porque o molho de soja costuma ser bastante salgado (embora haja variantes low salt).
Gostámos muito do petisco!

Rolo de carne em massa folhada


Comecei por temperar a carne picada com tomilho, salsa, alho em pó, pimenta rosa e 2 fatias de pão de forma embebidas e desfeitas em leite. Eu uso o pão para que a carne não fique seca ou muito densa, o rolo tona-se mais fofo e suculento. Juntei também cubinho de bacon à carne. No fim, depois do rolo enformado, espetei palitos grossos de cenoura dentro do rolo. Envolve-se rolo dentro de massa folhada, pincela-se com ovo batido e vai ao forno até ficar douradinho e os sucos que a carne larga secarem no tabuleiro. Ficou super! E tem a vantagem de ser muito fácil e rápido de fazer!

Gyozas fritas



A massa das gyozas foi comprada. Podem encontrar na loja Goyo-ya em Lisboa e Cascais. O recheio foi feito por mim e consistia numa mistura de carne de porco, couve chinesa, alho aromático (parece cebolinho mas mais grosso), cebola e alho, todos os ingredientes picados. E mais os temperos, molho de soja, óleo de sésamo, molho de ostras, vinagre de arroz e pimenta. Depois de se rechearem as gyozas, é suposto elas irem a uma frigideira alourar em óleo quente (muito pouco) e acabarem de cozinhar com um bocadinho de água, com a frigideira tapada, até a água evaporar. Acontece que eu já estava farta de rechear gyozas e com ânsias de as comer e deu-me a preguicite. Como tanto eu como o Mr. Fofo gostamos de gyozas estaladiças, resolvemos aldrabar e fritá-las! Voilá! Para a próxima quero fazer a versão original mas devo dizer que ficam óptimas fritas! Como sobrou imenso recheio, resolvi aproveitar e fazer hamburguers orientais para o jantar. Também foram aprovados!


Massa Soba com vegetais e camarão




Comida japonesa para o jantar! A massa foi cozida em água e um bocadinho de sal (pouco, o preparado que vai ser adicionado à massa leva molho de soja que é salgado). Esta massa é bastante fina, logo coze depressa, por isso é precisa atenção. Deve ter levado uns 3 minutos a cozer. Derpois de cozida, escorre-se muito bem e reserva-se. Os vegetais foram cortados em tiras ou fatias finas. Usei cenoura, couve roxa, fiejão verde e pimento vemelho. De seguida refoguei-os em azeite e alho, com sal e pimenta. A receita japonesa que eu li dizia para reforgar em óleo de sésamo ou simplesmente cooking oil. Como o molho leva óleo de sésamo, achei que seria excessivo refogar também nesse óleo, por isso optei por um bocadinho de azeite. Os vegetais devem ficar cozinhados mas estaladiços! Os camarões foram cozinhados em azeite e temperados com pimenta e sal q.b.
Depois foi só preparar o molho. Levou molho de soja, vinagre de arroz, óleo de sésamo e alho em pó. No fim, põe-se a massa numa tigela com os vegetais, os camarões e o molho e envolve-se bem. Pode comer-se à temperatura ambiente ou frio. Bom apetite!